Edição de janeiro da ELLE marca o início das celebrações dos 30 anos do título no Brasil

 

Capa da revista Elle, edição 1, maio de 1988.

O ano acaba de começar e a ELLE já abre as celebrações em torno dos 30 anos do título no Brasil com a edição de janeiro trazendo a releitura de sua primeira capa nacional que chega hoje às bancas. A edição de maio de 1988 trazia a modelo Julie Kowarick, uma das três finalistas do Super Model of the World, fotografada por J.R. Duran que agora é reinterpretada pela modelo Nayara Oliveira.

“Nos últimos anos, a revista quebrou paradigmas com capas que fizeram história e foi pioneira ao se engajar no debate sobre gênero e representatividade na moda. Por tudo isso, nada mais natural do que recriarmos a nossa primeira capa, agora com a modelo Nayara Oliveira, em vez de retratarmos mais uma vez o padrão de beleza europeu que reinou absoluto por algumas décadas, mas temos consciência de que ela ainda não é suficiente,” explica Susana Barbosa, diretora de redação do título.

Ao longo desses anos a revista foi a pioneira no mercado das publicações de moda brasileiras com sua linguagem inovadora, ousada e irreverente, suas imagens cheias de movimento e alto astral e foi sabendo acompanhar as mudanças no comportamento da sociedade que se firmou também como a primeira a estar em todas as plataformas.

Entre o conteúdo deste mês a ELLE ressalta uma entrevista do ator Johnny Massaro, que conta sobre carreira, relação com a moda, com depoimentos de amigos de profissão e um editorial com intervenções do artista plástico Samuel Saboia.

A equipe editorial continua o trabalho de destacar cada dia mais pessoas relevantes no mundo contemporâneo, portanto a partir desta edição a filósofa Djamila Ribeiro, uma das principais vozes do feminismo, ganha coluna fixa, e o novo ELLE Vozes ganha espaço dedicando páginas à apresentação de diferentes histórias e referências.

Os caminhos de ELLE seguem fora dos trilhos convencionais e são guiados pela moda e muita atitude. Esse é só o começo.