Todos os Rios em um só Rio – Rider Tudo Cria

Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria
Coleção Rider Tudo Cria

Outros olhos para um mesmo Rio. No começo de 2017 Rider abriu o ano com uma grande celebração, o Festival Rider #DáPraFazer, que conectou diferentes zonas da cidade do Rio de Janeiro para proporcionar um intercâmbio artístico e destacar o movimento criativo independente. Foi incrível ver como uma marca de fora consegue enxergar com muito mais clareza o Rio e suas riquezas – além da Zona Sul à Manoel Carlos. Os eventos que a Rider tem feito aqui na cidade, conectam, integram e respeitam todos os espaços.

O resultado: Muita gente DIFERENTE e muito feliz de compartilhar o mesmo espaço, misturar e interagir. Eu fui no #DáPraFazer em Madureira e no Tudo Cria na Gávea, a energia é a mesma! Um Rio que eu gostaria de ver mais. Principalmente no discurso das marcas cariocas, do governo e de todos nós.

Salve o Rio e Salve a Rider!

PROJETO FAZEDORES
fazedores.co

É plataforma de Rider que mapeia e retrata a história de pessoas e coletivos que estão à frente da execução de projetos e ideias incríveis, movimentando a economia criativa do país e que formam um time de cocriação com a marca em diversas frentes, seja na concepção de produtos ou experiências. Com conteúdo aprofundado, como entrevistas, histórias, perfis e a Fazedores.co é um catálogo vivo e pulsante dos criativos no País – onde é possível localizar e se conectar com pessoas que realizam fazeres diversos.

O criativo de cada localidade

 

Centro – Fernanda Guizan e Pedro Zylbersztajn trazem para a coleção a curiosidade do Centro. São detalhes que fazem diferença, é a descoberta de possibilidades. A temporalidade e as transformações físicas e culturais da região são representadas graficamente através dos conceitos de desgaste, acúmulo e sobreposição. Uma colagem de diversos fragmentos e texturas, que se somam e reinterpretam um cenário múltiplo em interferências, resulta em um produto que reage ao uso e revela, com o passar do tempo, uma nova camada.

 

Zona Oeste – Camila Vaz e Juliana Araújo trazem os cruzamentos do BRT, a musicalidade dos movimentos, os bairrismos, o apoio mútuo e o suor que emana dos corpos. Das diversas tonalidades de pele, a experiência de crescer ao longo da década de 2000 e as representações culturais, criaram um elo de integração da taquara com suas identidades. Formas, cores e texturas que contêm em si suas vivências, tecem, a cada traço de memória, o desenho dos calçados.

Baixada – Para os crias da Bxd – Washigton Santana e Thiago Monçores pensaram em um símbolo ícone da região: o trem. A linha férrea já foi o ponto de partida não só no sentido da mobilidade Centro x Bxd, mas como início do pensamento de civilização. O fluxo, cruzamento de pessoas com diferentes vivências e habilidade de fazer com as ferramenta existentes também enriqueceram o processo criativo. Onde liga paixão, carinho e muita correria.

 

Zona Norte – Rafael Acioly e Junior Stive exaltam a nostalgia dos anos 80 e 90. A Zona Norte chega com essência do old school e para subverter as mentes. Repleta de pontos escondidos, que só quem vive por lá sabe, grandes bandas, grupos de rap, artistas cresceram e tornaram essa região conhecida não pelos lugares populares grande circulação, mas pelo underground também